• Rua dos Carijós, 141 - Centro - Belo Horizonte/MG
  • (31) 3224-0752
  • juridicosintectmg@gmail.com

Notícias

Espanha: 785 trabalhadores infectados com Coronavírus em Empresa de Serviço postal

Dos cerca de 50 mil funcionários, hoje ativos na equipe de Correios da Espanha, 785 estão infectados com o novo coronavírus (COVID-19), enquanto outros 2.144 estão em quarentena, suspeitos de contaminação pelo vírus. Ao todo, 870 centros de distribuição tiveram registro de trabalhadores infectados no País. O alerta foi dado pela Confederação Geral do Trabalho (CGT) da Espanha, em matéria publicada pelo Jornal El Salto, no último dia 06 de abril.

Em uma conta simples, a funcionária dos Correios de Madri e membro da CGT, Virginia Hidalgo, revelou que trabalhadores dos Correios na Espanha estão sendo sete vezes mais infectados do que a média da população espanhola.  Atualmente, para cada mil trabalhadores, 15 estão infectados e foram registradas duas de mortes.

O que chama a atenção na declaração de Hidalgo é a semelhança com os Correios brasileiro em relação aos riscos em que os trabalhadores estão sendo expostos ao executarem as atividades da Empresa, externas e de atendimento.  A falta de materiais de proteção como álcool em gel, luvas e máscaras também compõem a rotina dos trabalhadores espanhóis, a mesma vivida no Brasil. No principal país da América Latina, a demora e a burocratização nas ações que afastam do trabalho externo os trabalhadores que estão no grupo de risco, ou que coabitam com aqueles que estão mais vulneráveis ao vírus, certamente irá impulsionar para cima a curva do número de doentes por COVID-19.

A situação dos trabalhadores dos Correios espanhol serve de alerta para o Brasil, que está sofrendo com a proliferação desenfreada da doença, resultado do descaso do governo com os trabalhadores, neste caso em particular, com os que pertencem ao conjunto de empresas que foram classificadas como essenciais. Não podemos admitir que as vidas de trabalhadores sejam colocadas em risco com a total negligencia do poder público. No caso dos Correios, a direção da Empresa e o governo não só devem oferecer a proteção necessária, os materiais de EPI (Equipamentos de Proteção Individual), como é preciso tirar um plano para que se mantenha funcionando apenas os serviços essenciais ao combate à pandemia, uma vez que os Correios são responsáveis, entre outras coisas, pela distribuições de medicamentos, insumos para pesquisa e desenvolvimento de vacinas, materiais e equipamentos hospitalares, entre outras itens essenciais na luta contra o Coronavírus.

 

Fonte: Luta Pelo Socialismo (LPS). Confira a matéria na íntegra clicando aqui.