• Rua dos Carijós, 141 - Centro - Belo Horizonte/MG
  • (31) 3267-0752 - (98277-2360) Zap
  • juridicosintectmg@gmail.com

Notícias

DENÚNCIA! CTCE BH SEGUNDO TURNO: AUTORITARISMO, ARBITRÁRIEDADE, MUITA PRESSÃO PSICOLÓGICA E CONDIÇÕES PRECÁRIAS DE TRABALHO

Diante do sucateamento que está acontecendo nas maiores Estatais do País para acelerar o processo de privatizações, a mando do Imperialismo principalmente norte americano, com o aval do governo Bolsonaro, a direção da (Empresa de Correios e Telégrafos) ECT, através da chefia imediata, vêm sendo a correia de transmissão desta política nefasta contra os trabalhadores. 


O quadro de trabalhadores vem sendo reduzido dia a dia, principalmente através dos inúmeros (Plano de Demissão Voluntária) PDV’s, (Plano de Demissão Incentivada) PDI’s e a falta de concurso público desde 2011. Sem a demanda de efetivo e a sobrecarga de trabalho, o absenteísmo vem aumentando de forma acelerada em todos os setores dos correios, afetando de forma desumana a saúde da categoria ecetista, com todo tipo de doenças, desde natureza física, psíquicas e causando até mesmo o aumento de dependência química. 
Por outro lado, esta mesma chefia que exige metas absurdas dos funcionários não cobra da direção da ECT melhores condições de trabalho para preservar preventivamente a saúde dos empregados. Faltam mesas adequadas, cadeiras e armários com condições ergonômicas para execução dos trabalhos. Nesse cenário de tanta opressão e repressão o surgimento de enfermidades e os afastamentos são inevitáveis.


O SINTECT-MG recebeu diversas denúncias de trabalhadores do CTCE BH, que a gestão do segundo turno está realizando atos de perseguição, obrigando o funcionário doente ir até a sua sala para dar “explicações” do seu afastamento. Ou seja, sofre assédio moral, uma vez que a gestão age como se fosse da Medicina do Trabalho, mesmo não tendo a mínima capacidade técnica para avaliar qualquer afastamento médico, apresentando ainda um gráfico de ausências e absenteísmo, que ao que foi repassado ao sindicato, é usado pela gestão do CTCE BH para transferir estes empregados para o CTCE Contagem, local completamente inóspito e isolado, tendo que realizar mais de 1.5 km de caminhada para ir e 2,2 km de caminhada na volta, até o ponto de ônibus na BR.


Essa é a situação vivida pelos companheiros do CTCE BH, segundo turno, onde a gestão da unidade quer “resolver” o problema de saúde dos trabalhadores ameaçando-os de transferências arbitrárias, mesmo doentes para o CTCE Contagem. Entre os ameaçados de transferência para o CTCE Contagem há caso de trabalhador com dificuldade de mobilidade, inclusive com parafusos no pé em decorrência de acidente antigo, o que causa dor em longas caminhadas.
Mas esse não é um fato isolado entre os trabalhadores em questão. É bom lembrar que os casos dos trabalhadores mencionados acima e demais já trabalharam no CTCE Contagem, vulgo (Carandiru) até o ano passado e foram transferidos para o atual local de trabalho justamente devido às péssimas condições de trabalho do CTCE Contagem. Basta reportar as inúmeras CT’s que o Sindicato enviou a ECT. Este prédio foi construído em local isolado, e a distância do ponto de ônibus até a porta do setor é, em média, 2 km, correndo todo tipo de risco como; assaltos e atropelamentos. 


O SINTECT-MG está ciente da situação e continua intervindo em defesa dos trabalhadores. Não podemos aceitar tanta arbitrariedade por parte da chefia do CTCE BH em resolver a questão da saúde, mudando o problema de lugar, como se Empresa não fosse à mesma no CTCE BH ou no CTCE Contagem. Exigimos a retratação pública da gestão da unidade para com os trabalhadores assediados e entendemos que essa atitude da gestão do CTCE BH, se trata de uma perseguição aos trabalhadores doentes. Por fim, solicitamos que todos os trabalhadores que apresentarem qualquer tipo de atestado de saúde, sejam estes encaminhados para a medicina do trabalho, setor responsável e competente para avaliar e acompanhar a condição de saúde de cada ecetista.


Todos os trabalhadores que passarem por situações semelhantes devem procurar, imediatamente o SINTECT-MG, para que sejam as atitudes de assédio sejam denunciadas e cobradas as medidas cabíveis.